sábado, 9 de setembro de 2017

Caxambu e seu Campo de Pouso Tenente O`Reilly de Souza/ Pista de primeira classe, pilotos com bússola no pescoço



Em 12 de marco de 1932, às 13 horas e 18 minutos aterriza o avião da marca Curtiss, para a inauguração do campo de pouso de Caxambu.

Mas voar no início do século XX era aventura pura, se compararmos hoje com as parafernálias modernas que cruzam os nossos céus. Imaginem que a previsão do tempo, fator importante para as viagens aéreas, vinham pelos fios do telégrafo. Telegrafo? Fios? Então os pilotos tinham que confiar no seu talento. Instrumentos de bordo? Qual! Os olhos dos pilotos eram a vida ou a morte, e as maquinas dependiam da capacidade dos pilotos de manobrá-las.

O Correio Aéreo Militar

Tudo começou com o Correio Aéreo Militar. A história da vinda de um avião à cidade teve início, no dia 12 de junho de 1931, quando decolou do Campo dos Afonsos do Rio de Janeiro, em direção à São Paulo o primeiro avião com a missão de levar a primeira mala postal do Correio Aéreo Militar (CAM). O vôo foi de pioneiros liderado pelo Major Eduardo Gomes. A viagem, que era para durar 3 horas, ficou em cinco, e os pilotos não conseguiram localizar o Campo de Marte, lugar da aterrissagem, e tiveram que improvisar. O Joquei Club, no bairro da Mooca, serviu de pista de pouso. Pois não é que os pilotos pularam os muros, entraram num taxi e entregaram a tempo o malote, na central dos correios? Ufa! A partir desta data, o Correio Aéreo, que se desenvolveu paralelamente ao transporte de carga e passageiros, abriu os céus para as linhas comerciais, transportando malas de correspondências, encomendas de toda sorte e gente, pela América do Sul e também na Europa.

Pista de primeira classe e bússola no pescoço 

No Jornal da Lavoura de 1934 dizia que a pista de Uberaba era a melhor do Brasil (foto). O general Eurico Dutra, diretor da Aviação do Exercito classificou o campo de pouso "... com um pouco mais de serviço, pode ser classificado como pertencente ao de primeira classe". Se ela era de primeira classe nem queiramos pensar nas de segunda, terceira... mas de qualquer forma os aviões faziam seus aterrisagens nela, uma vez por semana.


Era comum, pelas mas condições do tempo, aterrisagens de emergencia, como aconteceu em Goiânia, quando um avião foi forçado a descer no campo de futebol da cidade. No acidente o avião ficou danificado, pois o trem de aterrissagem foi de encontro a... um cupim. Afim de prevenir acidentes desta ordem o prefeito mandou destruir todos os cupins nas imediações do campo de esporte, para em caso de novas aterrisagens de emergencia.
  • Esses pioneiros varavam os céus do Brasil, de lado a lado, a todo o momento enfrentando a morte, em velhos aviões de um só motor, sem a necessária cobertura do vôo sem radio e outras seguranças de navegação, à merce das mais variadas condições atmosféricas. Sem embargo, cumpriam as missões recebidas. "Iam sobranceiros, ao imenso continente brasileiro, desenvolver a aviação comercial, antes que houve aviões comerciais (...)
  • Atirava-se ruidosamente à conquista do espaço. Improvisavam a técnica. Era o avião "Arco e Flecha", isto é, sem infraestrutura apropriada, e consequentemente, sem o respectivo instrumental de bordo. De resto havia o "olhômetro", e a "bússola estava no pescoço"... (1) 
  • Em novembro de 1931, o Correio Aéreo expandiu sua rota Rio-Minas. Os militares estavam convencidos que um avião de correspondência incentivaria as prefeituras a construirem os seus campos de aviação.
Surpreendentes resultados estatísticos foram publicados do Correio Aéreo Militar do ano de 1932, no jornal Lar Católico. 592 vôos de um total de 131.285 km, sendo as linhas em funcionamento na época: São Paulo-Goiás, São Paulo-Mato Grosso, São Paulo-Curitiba. Ah, eles foram mesmo os verdadeiros heróis.

Caxambu e seu campo de pouso Tenente O`Reilly de Souza

O nome do campo de pouso de Caxambu foi dado em homenagem ao aviador do exercito, o 1° Tenente aviador Altamiro O`Reilly, o primeiro aviador a sobrevoar a cidade de Caxambu e morto em um acidente aéreo, num voo de treinamento, em 23 de dezembro de 1931, na cidade de Três Rios, no Rio de Janeiro. Ele foi também o um dos pioneiros do 1° pouso de um avião, em Resende, que ocorreu na Fazenda Santo Amaro, em 1931, a bordo do Curtis 269, pertencente à Escola de Aviação Militar do Realengo.

O tal "campo de pouso" era mais que um terreno aplainado de terra batida, mas o avião "Curtiss" do exército aterrizou, em Caxambu, no dia 12 de março de 1932, às 13 horas e 18 minutos, um sábado, comandado pelo coronel Pederneiras e pilotado pelo tenente Julio Reis. Eles saíram do Campo dos AfonsosRio de Janeiro, às 11 horas e 5 minutos fizeram o percurso de 140 quilômetros em duas horas e 13 minutos sendo recebidos pelas autoridades locais, o prefeito de Caxambu, Mario Milward e o prefeito de Baependi. O vôo decorreu sem grandes incidentes, apesar do mau tempo te-los acompanhado durante todo o percurso da viagem. O campo de aviação ficava situado entre as fazendas dos coronéis Joaquim Pereira e Reynaldo Pereira, à margem esquerda do Rio Baependy, distante da cidade 11 quilômetros. 

Na enxada

Na verdade, o trabalho de construção da pista de pouso foram realizados no contexto histórico da Revolução Constitucionalista de 1930 que foi o maior movimento armado ocorrido no Brasil, quando guerrearam paulistas e mineiros. Os prós e contra Getulio. O governo de Minas subiu no muro e assumiu a posição "neutra". Os paulistas invadiram o Sul de Minas e os maiores e mais sangrentos combates aconteceram na cidade de Cruzeiro. As pacatas cidades do interior de Minas, que viram-se envolvidas no conflito. São Paulo perdeu a batalha, mas se mantiveram na liderança política e econômica do país. O resultado da revolução: uma nova Constituição anos depois, que deu voto às mulheres. De tudo não foi em vão.

E em Caxambu, como tudo agora eram as estratégias militares,  o "comando das forças do Sul de Minas" fez levantamento para a construção da pista e sondou o terreno mais apropriado, tendo apoio do prefeito para a execução do trabalho.150 trabalhadores rurais pegaram na enxada para, em 10 dias, aplainar o terreno que serviria de campo de pouso. Uma pista feita na enxada.

O registro histórico acima, datado de 15 de março de 1932, achado no jornal Correio da Manhã, com históricos personagens. Na legenda original consta os nomes, mas as pessoas, infelizmente, estão pouco visíveis. Dos militares, o Coronel-aviador Amilcar Sergio Velloso de Pederneiras (1894-1950) foi quem buscou o corpo do tenente O`Reilly em  Três Rios, após o terrível acidente que lhe custou a vida, o coronel-aviador, então tenente-aviador, Julio Américo dos Reis, e o capitão-aviador, posteriormente, coronel-aviador Martinho Cândido dos Santos .  Martinho Cândido dos Santos era filho de Martinho Cândido Vieira Licio, natural de São Tomé das Letras, que veio moço para Caxambu e se tornou chefe político e onde nasceu o filho, que agora retornava pelos ares à cidade. Os aviadores, em sua curta estadia na hidrópolis, foram recepcionados no Hotel Caxambu, onde foi realizado um banquete oferecido pelo prefeito municipal. No dia seguinte estava programado um grande baile no Palace Hotel em homenagem aos aviadores.
E gentes, é difícil acreditar que tudo isso aconteceu... em Caxambu.

Foto:
Jornal Correio da Manhã, 1955
Fonte:
(1) Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica - Idéias em destaque- n° 40, 2013.
Aragão, Isabel L.,Correio Aéreo Militar (CAM): uma história de pioneirismo, 2012.
Força Aérea Brasileira: A saga dos bandeirantes que criaram as rotas aéreas pelo interior.
Correio da Manhã,1955
Jornal Catholico, 1933
Bento, Claudio Moreira, Cel. em Resende-RJ- História Militar 1744-2001-Memória
A Crítica, RJ 1920-1930

Nenhum comentário:

Postar um comentário